Fortaleza

A essência da Liderança é o caráter. Isso já falamos no artigo Humildade. Mas, o que molda um caráter?  A prática de hábitos morais, denominados virtudes éticas ou virtudes humanas.

O que dizer então do “líder nato”? Deste conhecemos o temperamento, não necessariamente o caráter.

Pois não se nasce líder; chega-se a líder.

O estereótipo do “líder nato” é aquele de perfil comunicativo, persuasivo, agressivo na conquista de objetivos, tomador de riscos, com muita iniciativa, original na busca de novas soluções. Para quem conhece a ferramenta de análise comportamental DISC, estamos falando de um alto D (Dominância) e alto I (Influência). Mas, essa é tão somente a descrição de um tipo de temperamento.

Ainda que esse perfil comportamental possa caracterizar uma liderança forte, o que vai decidir seu impacto sobre as pessoas é seu conjunto de virtudes.

E as virtudes humanas foram primeiramente descritas na Grécia Antiga. Platão definiu como principais quatro virtudes humanas: a prudência, a justiça, a fortaleza e a temperança (ou autodomínio). Elas são também conhecidas como virtudes cardeais, porque nelas se baseiam as demais virtudes.

A fortaleza é a virtude mais admirada talvez porque esteja tipicamente associada a atos de heroísmo.

Mas, a coragem que nos impressiona nessas demonstrações de fortaleza só é considerada virtuosa se tender ao serviço dos outros, livre de interesses egoístas.

Temos a tendência de achar que a fortaleza mora apenas em atos de valentia fora do comum. Mas, o que constitui a essência da fortaleza é a resistência, a capacidade de suportar adversidades.

O que será mais difícil para um soldado: (1) guardar sua posição durante vários dias seguidos em uma trincheira fria e úmida ou (2) lançar-se ao ataque, bandeiras ao vento, sob o fogo do inimigo?

A opção No 1 pode demonstrar à primeira vista uma atitude passiva. Mas, requer “nervos de aço”, uma fortaleza interna de quem está batalhando contra o pior dos inimigos: o MEDO. Por longas horas!

Manter o rumo e resistir a qualquer tipo de pressões é, portanto, como se define fortaleza. A prática desta virtude exige muitas vezes o sacrifício de si mesmo para a realização de objetivos justos e prudentes. Sim, as virtudes estão intrinsicamente relacionadas.

Como disse Josef Pieper, um filósofo alemão do século XX, “nem a dificuldade, nem o esforço produzem a virtude, mas unicamente o bem”. A perseverança no bem é, portanto, um dos aspectos mais importantes na virtude da fortaleza.

Quem será o forte entre os líderes abaixo?

Aquele que renuncia o uso das atribuições de seu cargo para não cometer uma injustiça ou outro que se impõe e se vale de sua autoridade para conquistar vitórias, não importa de que maneiras e com quais meios?

O exercício da virtude da fortaleza não pressupõe apenas enfrentamento como nos atos de valentia de um pai ou uma mãe protegendo um filho em qualquer situação de perigo, mas requer principalmente resistência, ou até mesmo retirada. A coragem que origina da virtude da fortaleza é inteligente e humilde.

Como então adquirir fortaleza?

Pelo hábito, pela repetição, colocando-se em situações que requerem o emprego desta virtude. Se nos comportarmos com fortaleza não apenas uma vez, mas várias vezes, criaremos as condições para agir com fortaleza no futuro. Somos o que fazemos habitualmente.

Se o temperamento é inato, o caráter se forma pelo treino, pela prática. E é o caráter que imprime sua marca no temperamento.

Portanto, é do caráter que depende a qualidade de sua liderança.

Vivemos momentos muito difíceis em nosso país. Mas, são justamente nas adversidades que as pessoas revelam suas melhores qualidades. Ou como diz o velho ditado, “são os mares revoltos que fazem os melhores navegadores”.

Continue sonhando grande (pratique Magnanimidade), empenhando seus melhores talentos em benefício dos outros (aspire Humildade), resistindo a todas as pressões com firmeza de propósito (cultive Fortaleza).

Você está investindo no seu melhor ativo: Liderança.

Gema – TW, transformando potencial em resultados.