O Capital da Integridade

Nos tempos atuais em que privilegiamos a comunicação eletrônica versus a comunicação olho-no-olho, temos deixado de usar um poderoso recurso para avançar na vida: a palavra dita.

Mas, não é intenção deste texto discutir o uso da oratória como ferramenta de persuasão.

Nosso foco é mais simples. O quanto o que falamos está alinhado ao que fazemos? Ou melhor, o quanto aquilo que fazemos representa o que falamos?

No mundo corporativo, a habilidade mais valiosa é a comunicação. Isso porque para a expressão de Aristóteles “o todo maior do que a soma das partes” ser verdadeira, só quando nos comunicamos, debatendo idéias, escutando diferentes pontos de vista, construindo o que dificilmente um cérebro conceberia sozinho.

Mas, antes mesmo de chegar ao interlocutor, qual será a força das nossas palavras? Que peso damos aquilo que falamos para nós mesmos? Nos levamos a sério ou falhamos seguidamente em cumprir nossas próprias promessas?

Engana-se quem pensa que nosso discurso sozinho são apenas palavras jogadas ao vento.

Sabe quem o escuta em primeiro lugar? Seu cérebro!

Sabe o que ele pensa de você quando você fala e faz? “AUTOCONFIANTE! Venha o que vier pela frente, cabeça e corpo daremos nosso jeito!”

Sabe o que seu cérebro pensa de você quando você fala e não faz, ou fala e dá desculpas porque não fez? “HESITANTE / INSEGURO! Eu (cabeça) vou economizar energia e dar a mesma orientação para o corpo porque esta batalha já está perdida”.

Se temos que ser cuidadosos com aquilo que comunicamos para os outros, mais ainda devemos sê-lo com o nosso discurso interno, com o que falamos para nós mesmos.

É nossa Integridade que está em jogo: um ativo pessoal e intransferível de alto potencial, mas talvez com baixo retorno. Porque se sua lista de INTENÇÕES ainda supera a de REALIZAÇÕES, seu “CAPITAL DA INTEGRIDADE” está subutilizado.

“O inferno está cheio de boas intenções” é o ditado popular que confirma que palavras sem ações não constroem. São autoenganos.

Como realizar todo potencial da palavra dita? Cumprindo-a.

É de Woody Allen a frase “showing up is 80% of life” (tradução livre “dar as caras representa 80% do que se realiza na vida”). Não será uma interpretação da frase “estar lá quando isso é o esperado de cada um”?

O que separa a palavra da ação? O Medo do desconhecido. Ele é o maior aniquilador de futuros. E todos sofremos desse mal.

Em um passado não muito distante, num mundo polarizado entre 2 potências, assombrado pelos riscos de uma guerra nuclear, as palavras usadas por um dos papas mais carismáticos da história contemporânea foi: “Não tenhais medo”.

E o antídoto para o Medo é a Coragem. Mas, a Coragem vem depois do compromisso, da palavra dita e cumprida de “fazer aquilo que se disse que iria fazer”. Confiram o vídeo de Dan Sullivan, um dos empreendedores mais consultados por outros empreendedores em matéria de comportamento empreendedor.

Termino com uma rápida história. Recentemente um amigo, executivo de uma start-up, disse que voltaria a surfar depois de anos parado. Para ajudá-lo nesse compromisso, dei a ele uma prancha de surfe que estava usando pouco. Entre surfadas em condições fáceis e difíceis, sua autoconfiança só fez crescer, assim como o prazer de estar no mar. Três meses depois deste evento, surfamos juntos pela manhã nesta semana. Ele, agora de prancha nova, sentiu o gosto da evolução e a satisfação do investimento bem feito para continuar avançando no seu hobby favorito. E eu tive o privilégio de contribuir para um maior retorno sobre o Capital da Integridade.

Se Avançar na Vida é o seu plano (seja em um Hobby, no Trabalho, ou em qualquer outra área), que seu ditado preferido seja “Dito e Feito” e não “Falar é Fácil; Fazer é Difícil”.

Sua palavra dita é de valor inestimável. Seu futuro conta com ela!

Gema-TW, transformando potencial em resultados!